comentários em kevin arnold para dois.



Bah, eu achei que fosse proibido tirar fotos da mina lisa, os manos tao viajando na dela

Anderson!!!! em 13.08.2007 às 17:55

Mas bah, esse tal de Anderson parece mangolao, te fecha, vivente!

Gaudino em 13.08.2007 às 17:59

tanto "os mano" quanto "os magrao" tão viajando na dela. 8D
quando fui lá, pensei a mesma coisa. por que cargas d'água ficar em volta desse raio de pinturinha com tanta coisa genial? pra quê ESTRAGAR as pinturas com uma porra de flash com potência mega ampliada? tá todo mundo virando turista japonês.

laura gatona em 13.08.2007 às 18:03

O texto e a foto pegam muito bem o estereótipo do turista em contraponto ao do viajante, mas acho que dá pra criar um ser hibrido aí. Tipo, convivo perfeitamente com a idéia de morar numa mochila por um mês, pular de albergue em albergue e, ainda assim, enfrentar uma fila homérica só pra ver a Vênus de Milo. Tudo isso registrado numa Sony P93.
=)

No final, o que conta mesmo é se os amigos são bons entendedores de fotografias ou se se contentam com fotos desfocadas e com flash estourado.

Chico em 13.08.2007 às 19:37

Grandes observações, Carol. A histeria sempre existiu, mas com as câmeras digitais ficou exacerbada: além de garantir a foto de tudo, ver se ficou boa, tirar de novo etc.
Saudades de vcs, bjão!

João em 14.08.2007 às 16:25

e aquela etiqueta basica de todo museu de nao fotografar obras???

carol em 16.08.2007 às 04:54

Acho que a proibição arruinaria o Louvre, e outros museus. O que AINDA não pode é tirar foto com flash, isso sim.

carolbensimon em 16.08.2007 às 07:44

sobre o "estive aqui": dá uma olhada no "isso foi" do barthes em "a câmara clara". acho que explica um pouco. é a foto provando que aquele momento existiu, que a pessoa esteve pertinho da monalisa. ver a foto em um livro, ainda que ela seja muito melhor, não é a mesma coisa.

mas eu concordo contigo, sim. por outro lado, gosto de fotografar (DEPOIS de olhar bem) porque não posso confiar na minha memória. é, de certa forma, um jeito de registrar o meu olhar daquela coisa, mesmo que fosse, por exemplo, no meio desse povo todo sem ver direito - é o jeito que vi, afinal. mais ou menos o que tu fez fotografando essa gente amontoada de câmeras na mão.

ah, não esquece de contar de berlim.

dani em 16.08.2007 às 09:58

concordo contigo, dani. Mas é bem isso: o problema não é exatamente com as fotos, mas com o fato de não olhar a coisa antes.
pode deixar, vou falar de Berlim. O povo está exigindo. =)

carolbensimon em 16.08.2007 às 11:02

Belo blog. Concordo contigo. A galera passa do limite com as cameras. Na minha última viagem nem levei a minha, já que a minha irmã levou a dela que é bem melhor ;-).

Leonardo em 16.08.2007 às 13:55

Uma vez, depois de rodar a Europa por 6 meses perdi TUDO que havia fotografado e tb a câmara. Foi antes das digitais. Um amigo me disse: Agora você tá livre. Na hora, comprei a filosofia e me consolei. Mas depois, cada vez que lembrava das irrecuperáveis fotos dos cachorros de Paris, entre outras que (eu achava) eram obras primas, queria morrer.

alice otto em 17.08.2007 às 19:57





Comer uma bolacha?